Crónicas do Fidalgo

Pessoas

Queremos crianças mais altruístas!

Por vezes o ser humano tem comportamentos que levam a uma questão natural: seremos nós seres bons ou maus? O tema surge quando, muitas vezes, nos vemos sem reacção, quando assistimos a alguma história e vemos que ninguém é capaz de intervir, e só depois de tudo ter acontecido é que pensamos naquilo que queríamos ter feito ou dito.


“Ser-nos-á inata a disponibilidade para ajudar o outro? E a cooperação, surgirá de forma natural?”. Foi com estas questões como ponto de partida que os psicólogos Felix Warneken e Michael Tomasello decidiram "pôr as mãos à obra".

Em 2006 fizeram um estudo práctico para perceber o comportamento espontâneo de bebés de 18 meses. Para o efeito, expuseram as crianças a situações diferentes em que encontravam pessoas desconhecidas em dificuldades.

Todas as crianças mostraram um comportamento altruísta, fazendo o bem como um reflexo! Isto faz-nos pensar, a nós enquanto pais, e nos nossos filhos que vão alterando comportamentos. Sim: estas alterações de comportamento acontecem pela sociedade, que molda as crianças ao comportamento maioritariamente comum!


E como podemos evitar perder esse altruísmo aparentemente inato das crianças?

Sobretudo parte de um trabalho dos pais. A ideia inicial é demonstrar este tipo de reacções perto das crianças – sermos um bom exemplo -, e mais tarde falar sobre o tema e incentivar para que elas tomem a iniciativa.

Uma segunda ajuda passa por transmitir às crianças que todos devem fazer o bem para o próximo e sempre que a criança demostre esses gestos, valorizá-los.


Há salvação, meus amigos! Podemos estar mais atentos! E podemos - e devemos - melhorar e cultivar o altruísmo nos nossos filhos!