Crónicas do Fidalgo

Experiências

Neste restaurante servem-se "segundas oportunidades"

Pessoas em situação de sem-abrigo, uma associação de apoio social e um restaurante que engloba tudo isto. Já alguma vez pensou jantar num restaurante onde todos os trabalhadores são pessoas que se encontram em situações de vulnerabilidade?

Segundo o Observador vai ser inaugurado em Lisboa, no primeiro dia de Outubro, aquele que dá pelo nome de "É um Restaurante" um projecto em forma de restaurante social que torna tudo isto possível, já que as equipas da sala e da cozinha serão compostas por sem-abrigo.

A ideia parte de Américo Nave, um dos responsáveis da associação de apoio social Crescer, que viu na sociedade um estigma em relação a esta população e o facto de não conseguir integrar o mercado de trabalho. Assim, Américo procurou mostrar que mesmo as pessoas que se encontram nessas situações são capazes de desempenhar várias funções profissionais.

Este foi um projecto desenhado a várias mãos. Ao lado de Américo Nave neste restaurante onde se vão servir "segundas oportunidades" está a psicóloga Alexandra Evaristo e os chefs Nuno Bergonse e David Jesus. O conceito vai assentar arraiais no nº 54 da Rua de São José, inicialmente, aos jantares. Almoços, quem sabe, mais para a frente (talvez em 2020).

“Não queremos que as pessoas venham cá por pena, queremos que venham porque se come bem”, explica de forma "curta e grossa" Américo Nave, ao Observador.

A selecção dos trabalhadores começa a partir de entrevistas feitas junto de sem-abrigo, as quais não foram nada fáceis, segundo o chef de cozinha Nuno Bergonse, devido às histórias de vida de cada um e aos obstáculos que sentiram impostos pela sociedade.

O restaurante permite aos sem-abrigo ter formação na área e uma experiência profissional. Após 6 meses a equipa troca de trabalhadores para dar novas oportunidades e incentivar as pessoas em situação de vulnerabilidade, já com formação, a integrar outros restaurantes.

Um projecto social que visa a integração no mercado de trabalho. Merece um aplauso!