Crónicas do Fidalgo

Experiências

Já ouviram falar na Vodka de Chernobyl?

Chama-se “Atomik” e não. Não é mais radioactiva do que as outras, garantem os investigadores.
O produto tem origem num projecto de plantação agrícola na zona de exclusão de Chernobyl (a região que foi palco do pior desastre nuclear do mundo, em 1986), levado a cabo por um grupo de cientistas britânicos e ucranianos. O centeio e a água extraídos deram origem à Atomik.

São vários os especialistas que têm trabalhado naquela área com o intuito de perceber como a terra tem recuperado do acidente. Têm sido feitas avaliações do processo de contaminação e de transferência de radioactividade.

Citado pela BBC, um dos cientistas explica que o plano era usar o grão de centeio “para fazer uma bebida espirituosa”. O resultado foi uma vodka, bebida destilada com cerca de 40% de teor alcoólico, popular na Rússia e na Polónia mas também noutros países da Europa de Leste.

Ainda existem poucos exemplares, mas a comercialização das bebidas faz parte dos planos, de forma a que as receitas ajudem as comunidades economicamente afectadas pelo desastre.
Mas será mesmo seguro beber vodka com origem em Chernobyl?
Os cientistas asseguram que sim. A destilação do centeio “ligeiramente contaminado” e da água garantem que as impurezas sejam removidas e tornam seguro o consumo da bebida.

"Pedimos a nossos colegas da Universidade de Southampton, que têm um laboratório incrível de análise de rádio, para ver se conseguiam encontrar radioatividade. (…) Eles não conseguiram encontrar nada”, adiantam os especialistas. Os níveis estavam abaixo do limite de detecção, garante Jim Smith, da Universidade de Portsmouth, no Reino Unido.

“Não precisamos abandonar a terra. Podemos usá-la de diversas maneiras e podemos produzir algo que ficará totalmente limpo da radioactividade”, defende Gennady Laptev, cientista do Ukrainian Hydormet Institute, em Kiev e membro fundador da recém-criada Chernobyl Spirit Company.

Para já as garrafas de Atomik vão começar ser vendidas em Chernobyl, na esperança de que tenham sucesso entre os turistas que visitam a cidade todos os anos.