Crónicas do Fidalgo

Experiências

O VINHO DO MARQUÊS

Estou de volta a Cascais, após umas férias no Sotavento Algarvio. E dei por mim a pensar que a influência dos Vinhos do Porto aqui também se sente, não é só no Algarve.

Na passada semana escrevi que os vinhos do Algarve chegaram a servir para vinhos do Porto. Em Cascais, durante muitos anos, os únicos vinhos que hoje aqui ainda se produzem também seguiram rumo a norte para embarcarem para Inglaterra, junto com os vinhos do Porto, e abastecer o bom gosto dos camaradas Britânicos, e não só.

A região de Carcavelos já tinha fama, há muito tempo. No século XIV há referências reais aos “bem cuidados vinhedos de Oeyras”. E no século XVIII o Conde de Oeiras, Sebastião José de Carvalho e Melo, mais conhecido por Marquês de Pombal - que como sabemos era bastante astuto - tinha em sua casa, na Quinta de Cima, vinhas plantadas para produzir este vinho, transformando-o num produto de prestígio que ficou conhecido nas elites da Europa e que chegou mesmo a ser oferecido pelo Rei D. José I à côrte de Pequim.

A produção chegou a atingir as 3.000 pipas (cerca de 1.650.000 litros). Hoje os cerca de 2 dezenas de hectares produzem à volta de 60 toneladas de uvas, divididos entre a Quinta de Cima em Oeiras - a maior parte - e as Quintas da Ribeira de Caparide, dos Pesos e da Samarra, em Carcavelos. Os solos maioritariamente calcários, a proximidade do mar e a sua influência na humidade que é atenuada pelo vento que se sente em Cascais - não fosse o “Pai do Vento”* daqui – garantem, juntamente com as castas específicas da região, um carácter único aos vinhos de Carcavelos.

Pena que há tão pouco, pois facilmente estes vinhos voltariam à ribalta de outrora. São vinhos fortificados, com boa frescura e capazes de envelhecer dezenas, até centenas de anos, melhorando com o tempo. Já há sinais de ambas as Câmaras Municipais, de Cascais e de Oeiras, para reavivar este vinho tão especial que foi engolido pela pressão do betão. Mas estou certo de que, em breve, haverá novamente mais vinhos nesta região.

Hélder Cunha
A minha vida é o vinho


*Pai do Vento - lugar na freguesia de Alcabideche em Cascais.

ID Hélder Cunha
Tenho 42 anos, sou de Cascais, estou bem casado e tenho quatro filhos lindos (3 rapazes e uma menina, que é a caçula). Licenciado em Engenharia Agro-Industrial e enólogo de profissão, fiz a minha primeira vindima em Napa Valley, Califórnia e a minha tese em Geisenheim, Alemanha. Depois de aperfeiçoar a minha enologia noutras empresas fundei a Casca Wines em 2008. Pelo caminho fiz a série de televisão Rotas do Vinho onde, com o José Fidalgo, partilhei o meu Portugal vinícola. Hoje faço vinhos em 12 regiões do país, e nos 60.000 Km/ano levo comigo o Cacau (um cão Labrador Chocolate).