Crónicas do Fidalgo

Experiências

O prazer de viver longe da civilização

Há um grupo de pessoas que escolheu ficar longe do barulho das luzes. Das luzes que ensurdecem, que causam nervosismo e que roubam qualidade de vida. É em nome desta que surge o projecto Wildlings.
Vivem no Pinhal Interior em Castelo Branco ou na Serra do Açor, no distrito de Coimbra, uma das zonas afectadas pelos incêndios de Outubro de 2017. Duas áreas do interior do país que estão perto de estar inabitadas.

São jovens, alguns com filhos, provenientes de vários cantos do mundo como da Holanda, Polónia ou Austrália. Procuram combater a litoralização e a consequente desertificação das cidades do interior. Desenvolvem por isso vários projectos nesse sentido. A Vida Fausto, por exemplo, é um desses projectos. Produzido por Lynn, demonstra como é possível manter uma alimentação saudável, um abrigo resistente e confortável e, ao mesmo tempo, reformula o conceito de bem-estar. Bem-estar passa a significar estar mergulhado na natureza. Ao mesmo tempo, prevê o restauro paisagístico na Serra do Açor, de forma a que seja sustentável a nível económico, social e ambiental.

Guida é uma arquitecta portuguesa, cansada do ruído da cidade, que sonhava desenhar projectos para casas construídas com pedra. Quando se mudou para a sua aldeia de origem, tornou-se realidade. Restaurou a casa dos seus avós e adaptou-a para ser o seu novo lar. Posto isto, o seu maior contributo para o crescimento deste lugar vai para a restauração das casas de xisto e auxilia outros jovens na construção das suas casas de sonho junto da natureza.

Finn e Jack vivem numa aldeia remota da Serra do Açor. Neste momento estão a construir um estúdio de música chamado “Xisto Studio Project” numa casa abandonada e, semanalmente, ajudam a colher frutos frescos que são vendidos na área circundante.

Estas pessoas deixaram a sua zona de conforto por considerarem viver numa sociedade desequilibrada. Nós não temos de estar onde todos os outros estão. Nós podemos ser diferentes em locais diferentes. Aproveitar aquilo que nunca ninguém aproveitou. Apesar do conceito de qualidade de vida variar de pessoa para pessoa, o certo é que todos nós precisamos de um momento isolado. Estas pessoas encontraram-na no contacto com a Natureza, a apoiar os poucos que lá vivem mas, acima de tudo, a aproveitar a sua felicidade.