Crónicas do Fidalgo

Experiências

Lixo no mar: podemos ajudar?

Podemos. Todos sabem que o homem é o principal responsável pela quantidade de lixo acumulado no mar. Graças ao ritmo de vida e aos objectos descartáveis, também já todos percebemos que é difícil fazer com que o homem deixe de fazê-lo. Por isso é necessário chocá-lo!

Ano após ano, são encontrados cerca de 8 milhões de toneladas de lixo no mar. Hoje, já são localizadas ilhas de lixo, como por exemplo a grande mancha de lixo no Pacífico que é mais de 17 vezes maior que Portugal continental, Açores e Madeira. Uma ilha em que não se pode caminhar, porque é toda ela feita de plástico flutuante. como noticia o Público. Este problema deve-se ao facto de a gestão de resíduos ser praticamente inexistente em países circundantes, com especial incidência no elevado número de habitantes do continente asiático. Logo de seguida é possível encontrar outros aglomerados de lixo nos oceanos Atlântico e Índico.

Desde 2013 que uma equipa ambiental decidiu aproveitar o poder das redes sociais para sensibilizar os cibernautas para este problema. Foi nas praias de Taiwan que esta equipa usou uma rede para angariar detritos marinhos. O objectivo não é apenas limpar o oceano, mas sim perceber de onde é que estes detritos vêm. Afinal, só conhecendo o cerne do problema é que o podemos combater. Por isso, fotografam este lixo num estúdio com câmara de boa resolução para depois publicá-lo online. Acompanhado da fotografia vem sempre a possível origem de cada detrito.

Uma equipa ambiental tem recolhido detritos do mar e procurado conhecer a sua origem.

Uma equipa ambiental tem recolhido detritos do mar e procurado conhecer a sua origem.

"As praias pertencentes à área de turismo são muito comuns para tipos de lixo de passeio, como copos e sacos de plástico, lixo de churrasco, etc. Os chinelos também são coisas que são perdidas de vez em quando numa ida para a praia", pode ler-se num dos exemplos de resíduos, que estão listados no site do Mapa de Resíduos do Mar.


Mas esta ideia não é a única. Há agora também uma app - "Litterati - A Litter Free World" - que compila fotografias de vários objectos encontrados nas praias, rios e nas zonas circundantes. Qualquer pessoa pode criar a sua conta e contribuir para a diversidade da galeria de lixo encontrada. A condição é que seja apenas de resíduos encontrados perto das águas e que a foto tenha boa qualidade, com um toque artístico. Este último requisito deve-se ao facto de que também é possível fazer arte com a fotografia e ao mesmo tempo aplicá-la a um tema tão importante como a necessidade de um meio ambiente melhor.

Fazer arte tornando o mundo melhor é, no fundo, o lema destas iniciativas. O que pode haver de melhor do que aliar a criação à melhoria do meio ambiente?