Crónicas do Fidalgo

Experiências

Aventuras por terras do Tio Sam - Parte 1

Esta foi uma aventura com “A” grande e passo a explicar porquê:

1º: Parti para uma viagem grande de 15 dias com dois miúdos. Eu e eles. Só.

2º: Quis descobrir um pouco mais sobre os Estados Unidos e sobre os americanos.

3º: Transformei-me numa criança, em corpo de adulto, na Walt Disney World e noutros parques!

O trio ainda em terras lusas

O trio ainda em terras lusas

First things first: começo por vos explicar como surgiu a vontade de fazer esta viagem!

Desde que, há sete anos, levei o meu filho Lourenço com a Fernanda - a minha mulher da altura - à EuroDisney, que fiquei com uma vontade tremenda de visitar a Walt Disney World e conhecer esta verdadeira fábrica de sonhos, na sua essência!

Esperei estes anos todos até que o Lourenço e o meu sobrinho Simão tivessem idade suficiente para curtirem esta viagem sem nunca mais esquecerem! Lourenço, 8 anos. Simão, 14. Eu, 39. Todos a postos para começar a preparar a viagem e partir à aventura!

O meu primeiro contacto foi o Armindo Ferreira, um grande amigo meu que trabalha numa agência de viagens em Nova Iorque. Somos amigos há já alguns anos e ele sempre soube desta minha vontade de proporcionar aos meus filhos - e a mim mesmo - uma aventura de sonho!

Pacotes escolhidos e negociados até ao mais ínfimo pormenor, chegou o momento de pagar. E embora seja um orçamento considerável, acredito que o dinheiro serve para isto. Para aproveitar a vida como podemos e com o que queremos.

Claro que falta a minha filha Maria, mas hei-de ter as minhas aventuras com ela! Para já, com 4 anos, não iria absorver nada. E aqui, permitam-me falar desta questão: levar bebés em aventuras como esta! Se os pais não tiverem hipótese de o fazer, compreendo. Mas, mesmo assim, esperaria para mais tarde! Caso contrário, acho uma perda de tempo e dinheiro. Tempo, porque não vamos aproveitar muito com um bebé num mundo de passos acelerados como este, a não ser tirar aquela típica fotografia do nosso menino com o Mickey, Donald, Pateta e companhia, que ficará na nossa memória menos na dele, como devem calcular! Dinheiro porque, para quem - como eu - está a fazer contas, não está a canalizar os seus recursos para aproveitar ao máximo e proporcionar momentos únicos às pessoas com quem está! Mas - reforço - não sabemos da vida dos outros e, como tal, respeito cada decisão!

Pequeno aparte feito, o momento de viajar aproximava-se e o nervosismo ia ficando mais presente! Não me podia esquecer que ia levar comigo dois miúdos que, por mais educados e responsáveis que sejam, não deixam de ser miúdos! Mas sabia que iria ser uma experiência para a vida. Para os três.

Burocracias tratadas, autorizações, ESTAs (Electronic System for Travel Authorization), identificações e afins… E lá estamos nós no aeroporto, prontos para a viagem!

O Lourenço já é um habitué nestas andanças, já viaja desde bebé. A primeira vez que viajou tinha meses de vida e foi para a Madeira. Ainda era casado com a Fernanda. Fomos com mais um casal amigo, contratámos uma babysitter através do hotel onde estávamos hospedados e curtimos uma das melhores passagens de ano das nossas vidas! Desde essa altura, nunca mais parou de viajar. Com 8 anos já viajou mais que eu! No que toca a este assunto, em nada se contraria o que foi dito mais acima, sobre viajar com crianças muito pequenas! Eu e a Fernanda temos uma vida muito activa, viajamos muito e filho nosso tem que se adaptar a este estilo de vida! Mas, como disse, salvo algumas excepções, não vejo a necessidade de levar crianças em viagens de lazer até que tenham idade para absorver o que estão a viver.

No caso do meu sobrinho Simão, a história era outra: esta foi a sua primeira viagem. E que viagem! De avião e para fora de Portugal! Estava excitadíssimo! Já os pais dele - a minha irmã e o meu ex-cunhado - estavam nervosíssimos! Ahahah!

Assim que nos despedimos de todos, parei-os, olhei para eles e antes de dizer o que queria, fiquei por segundos a contemplá-los a olharem para mim. Nunca mais vou esquecer as suas expressões. O Lourenço, com olhos de felicidade extrema por fazer esta viagem com o primo e comigo, claro, mas principalmente com o primo!

O Simão, num misto de adrenalina como quem amava apanhar um vagalhão mas no momento em que isso está prestes a acontecer, trememos que nem varas verdes. Estas expressões deixam-me de coração cheio e de lágrimas nos olhos. Lembro-me perfeitamente de quando em pequeno me sentia assim, mas só de recordar esses momentos e de saber que estou a vivê-los agora e a partilhar esta experiência com os dois homens que mais amo neste mundo… É de encher a alma de felicidade. Depois destes segundos em que fiquei a olhar para eles - que foram uma viagem para mim - disse-lhes:

-“Como é que, meus putos?!? Estamos prontos?!?

A resposta foi imediata:

- SIIIMMM!!!

Seguiu-se um forte abraço entre os três.

E assim chegamos ao fim da primeira parte desta aventura. Outras se seguirão!